Inimigos Naturais das Abelhas Sem Ferrão ( Abelhas Melíponas)

0
3195

No artigo científico desenvolvido pela Embrapa(Criação de abelhas sem ferrão), fala sobre a criação de abelhas Meliponas, do ninho, da localização do meliponário, da escolha da abelhas, da caixas racionais, da instalação das colmeias entre outros tópicos e fala sobre os principais inimigos naturais das abelhas sem ferrão.

Os principais inimigos naturais das abelhas-sem-ferrão são os forídeos, diversas espécies de formigas e a mosca Hermetia illucens (Diptera, Stratiomyidae). O ataque de outras espécies de abelhas também é muito prejudicial. É necessário, ainda, tomar cuidado com ataque de aranhas,lagartixas, pássaros, pequenos mamíferos, sapos, entre outros.

Os forídeos são moscas pertencentes à família Phoridae (Diptera), pequenas, de coloração preta e marrom, que entram nos ninhos atraídas, principalmente, pelo odor do pólen fermentado e fazem postura nos potes de pólen, favos de cria e lixeira ( Figura 01).Para prevenir o ataque de forídeos o produtor deve manter as colônias fortes, durante o
manejo tomar cuidado para não danificar potes de pólen e células de cria, remover da colônia potes de pólen abertos ou danificados.
Em caso de ataque é necessário realizar uma limpeza, removendo e queimando todo pote de pólen e disco de cria infestado.

Figura 01: Colônia de abelha-sem-ferrão atacada por larvas de forídeos

Armadilhas para captura de forídeos devem
ser colocadas dentro das colmeias. As armadilhas são feitas com pequenos potes de plástico contendo vinagre. A tampa dos potes deve ser furada e o tamanho do furo deve permitir a passagem do forídeo, mas não das abelhas (Figura 02) . O forídeo será atraído pelo odor do vinagre, que é semelhante ao do pólen, e entrará no pote para fazer postura, morrendo afogado. A armadilha também
pode ser usada fora da colônia, mas há o risco
de atrair a praga para o meliponário.

Figura 02: Detalhe de armadilha para captura de forídeo em colônia de abelhas-sem-ferrão

A mosca soldado-negro Hermetia illucens
(Diptera, Stratiomyidae), também conhecida como mosca grande e moscona, tem cor
escura, predominantemente preta. Nas
colônias de abelhas-sem-ferrão essa mosca pode fazer postura nas frestas das caixas e
orifícios de ventilação (Figura 03). As fêmeas
podem depositar até 400 ovos e as larvas
levam entre 5 e 14 dias para eclodirem.

Figura 03: Fêmea da mosca Hermetia illucens (Diptera, Stratiomyidae) realizando postura em fresta de colmeia

As larvas achatadas possuem cor marrom e alimentam-se de matéria orgânica. Após a eclosão, as larvas dirigem-se para a lixeira,podendo contaminar também os potes de pólen. Durante a alimentação as larvas modificam a umidade da matéria orgânica, produzindo uma lama no interior das colmeias (Figura 04).

Figura 04: Larvas de mosca Hermetia illucens (Diptera, Stratiomyidae) e lama produzida decorrente de potes de alimentos e favos de cria destruídos.

Por vezes, é possível encontrar essas larvas nas colmeias sem haver dano para a família. Mas, quando as colônias de abelhas-sem-ferrão estão fracas, a infestação pode causar sérios prejuízos. Quando notar a infestação o produtor deve fazer uma limpeza, removendo larvas, ovos e detritos. Se necessário, usar papel toalha ou pano para retirar o excesso de umidade de dentro da colmeia ou mudar a colônia de caixa. As colônias fracas devem ter todas as frestas fechadas, de preferência com fita crepe, de forma a auxiliar na prevenção dessa praga.

Diversas espécies de formigas podem atacar e colonizar as colmeias de abelhas-sem-ferrão, como a sarassará (Camponotus sp.) e a lavapés
(Solenopsis sp.). Esses ataques ocorrem principalmente quando as  colônias estão
fracas (Figura 05). Para proteção, é necessário manter as colmeias bem vedadas e instaladas em cavaletes que tenham protetor. O uso de óleo queimado no protetor é eficiente e evita, também, o ataque de cupins na madeira da colmeia.

Figura 05: Colônia de abelha-em-ferrão infestada por formiga do gênero Camponotus

Lagartixas, pássaros, aranhas e sapos, em
geral, atacam as abelhas quando estão entrando e saindo dos ninhos. A colocação de protetores na entrada do ninho evita o ataque (Figura 06). Manter as colmeias em cavaletes, cerca de 50 cm do chão, auxilia na prevenção
desses e de outros predadores.

Figura 06: Detalhe da entrada de colmeias de abelhas-sem-ferrão protegidas com funil

Artigo científicos completo:

https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/1079116/1/CriacaoAbelhaSemFerrao.pdf

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here